Balanite

Conheça os principais fatores de risco para balanite

Conheça os principais fatores de risco para balanite

A balanite é uma inflamação da mucosa que reveste a glande (cabeça do pênis). O problema pode se estender ainda ao prepúcio, que é a pele sobre a região. Neste caso, trata-se de uma balanopotite. Os principais sintomas são coceira, ardência ou até dor, além de aparência avermelhada, podendo apresentar secreções. 

Neste post, conheceremos mais sobre a condição. Continue a leitura!

Quando há ocorrência de balanite?

A doença está diretamente relacionada às condições de higiene do pênis. Isto porque a falta de uma rotina de limpeza adequada propicia a formação de uma secreção, composta por células mortas que vão se acumulando no local. No entanto, existem alguns fatores que podem aumentar as chances do homem desenvolver o problema. 

Indivíduos que não foram circuncidados, por exemplo, são mais suscetíveis a terem balanite. O motivo é que a pele que cobre a glande acaba tornando a higiene mais difícil. Assim, há um ambiente perfeito para desencadear o processo inflamatório, já que a área fica mais quente, úmida e com resíduos. 

Por outro lado, portadores de diabetes tipo 2 também têm mais chances de apresentarem a doença. Além disso, a idade é um fator de risco, visto que a incidência é maior nos homens acima de 40 anos. Obesidade e diagnósticos anteriores de doenças sexualmente transmissíveis são outros pontos de atenção, bem como uma vida sexual ativa desprotegida. 

O uso de substâncias que irritam a glande ou alergias em decorrência de produtos variados também pode desencadear a inflamação. Logo, quando surgirem os primeiros sinais, a pessoa deve procurar um médico. O quadro pode se agravar ainda mais em função de infecções urinárias pontuais. 

Qual é o diagnóstico e o tratamento indicado?

No consultório, o médico fará o teste clínico para diagnosticar a doença por meio da aparência das lesões. Provavelmente, será necessário realizar exames de laboratório para identificar o agente causador da infecção e conseguir direcionar o tratamento. 

Vale lembrar que a inflamação pode ou não estar associada a uma infecção e, portanto, isso definirá qual medicamento é apropriado para o caso. O protocolo clínico será indicado ao parceiro ou parceira do paciente, a fim de evitar reincidência. 

Como a higiene adequada da região é a principal forma de prevenção, pode ser recomendada uma cirurgia para a retirada do excesso de pele nos casos em que o estreitamento do prepúcio impede a exposição e limpeza correta da glande. 

Como dissemos anteriormente, a melhor forma de prevenção está em como o homem faz a limpeza de seu órgão sexual. Outros problemas ainda mais graves, como o câncer de pênis, estão relacionados à falta de asseio. 

Para a higiene correta, o indivíduo deve retrair a pele (prepúcio) e lavar a região da glande, assegurando que não restou nenhum resíduo ou secreção. 

Além disso, é recomendado enxugar o pênis após urinar e lavá-lo corretamente após o ato sexual, bem como recorrer ao especialista em caso de suspeita de anormalidades. Estes e outros cuidados auxiliam o homem a manter a saúde em dia e evitar a balanite. 

Quer saber mais? Estou à disposição para solucionar qualquer dúvida que você possa ter e ficarei muito feliz em responder aos seus comentários sobre este assunto. Leia outros artigos e conheça mais do meu trabalho como urologista em Goiânia!

Posted by Dr. Pedro Henrique Moreira in Todos
Balanite: sintomas, causas e tratamentos

Balanite: sintomas, causas e tratamentos

Balanite é um tipo de inflamação que acomete a mucosa que reveste a glande, mais conhecida como cabeça do pênis. Ela pode ser acompanhada – ou não – de infecção e costuma atingir homens com fimose, embora não seja uma regra. 

Quando a inflamação afeta a glande e o prepúcio simultaneamente, a condição recebe o nome de balanopostite. Embora a balanite seja extremamente desagradável, a boa notícia é que existe tratamento para o problema.

Quer conhecer os sintomas, causas e formas de tratar essa doença inflamatória? Leia o artigo e saiba mais.

Principais sintomas da balanite

 A balanite é uma condição inflamatória que gera diversas manifestações físicas, incluindo dor local, irritação, calor na região, coceira e descamação da mucosa. Também é comum a ocorrência de secreção purulenta e odor sob o prepúcio.

Geralmente a cabeça do pênis fica avermelhada, podem surgir úlceras na superfície e inchaço que provoca o estreitamento do canal urinário. Outro sinal frequente é o aumento de volume dos gânglios localizados na virilha.

Causas 

A balanite pode estar relacionada ao estreitamento do prepúcio, o que dificulta a adequada limpeza da glande e acaba favorecendo o surgimento de infecções locais e urinárias por conta da má higienização íntima. A principal causa da inflamação na cabeça do pênis é justamente a higiene inadequada da região.

A ausência do asseio devido contribui para a formação do esmegma, uma secreção clara constituída pela descamação de gorduras e células mortas produzidas pelas glândulas penianas e infectada por bactérias, fungos e vírus que ficam acumulados abaixo do prepúcio, dando origem à inflamação.

Eventualmente o contato com substâncias irritantes presentes em cremes, sabonetes, pomadas, espermicidas, óleos e medicamentos também pode influenciar no aparecimento da balanite.

Alguns fatores de risco são capazes de  aumentar a propensão à balanite, entre eles, é possível citar a obesidade, baixa imunidade, uso de antibióticos e diabetes do tipo 2, em decorrência da concentração elevada de açúcar na urina.  Candidíase e doenças sexualmente transmissíveis, a exemplo de sífilis, herpes e gonorreia também são consideradas fatores de risco.

Tratamentos para a condição

Quando se fala em tratamento de balanite, é importante destacar que a abordagem terapêutica escolhida deve contemplar a causa da doença. A cirurgia de fimose, por exemplo, é a melhor indicação quando o estreitamento do prepúcio impossibilita a exposição da glande e atrapalha a plena higienização do local.

Se o quadro, além de inflamatório, for infeccioso, o médico deverá orientar o paciente em relação ao uso de fármacos (antifúngicos, antibióticos e antimicóticos) para combater a infecção. A automedicação é contraindicada em todos os casos. Lembre-se que somente o especialista pode recomendar o tipo, dosagem e duração da medicação.

Caso a balanite tenha sido provocada por substâncias irritantes, o uso de tais substâncias deverá ser suspenso. Antialérgicos devem ser utilizados quando necessário. Cumpre ressaltar que a boa higienização, além de ajudar na prevenção, colabora no tratamento.

Quer saber mais sobre a balanite? Estou à disposição para solucionar qualquer dúvida que você possa ter e ficarei muito feliz em responder aos seus comentários sobre este assunto. Leia outros artigos e conheça mais do meu trabalho como urologista em Goiânia!

Posted by Dr. Pedro Henrique Moreira in Todos