Bexiga hiperativa

Bexiga hiperativa: como é feito o diagnóstico e tratamentos

A bexiga hiperativa corresponde a um problema no funcionamento da bexiga, o que provoca a repentina e urgente necessidade de urinar. Tal condição é mais frequente em mulheres, entretanto pode atingir pessoas de ambos os sexos, especialmente a partir dos 60 anos de idade. Cumpre salientar que nesse tipo de quadro, costuma ser difícil controlar o fluxo da urina, resultando assim na incontinência urinária.

Entre os principais fatores de risco estão o envelhecimento natural, a diabetes e o aumento da próstata. Outros aspectos que podem aumentar a predisposição ao quadro de bexiga hiperativa são a artrite, depressão, terapia de reposição hormonal, sobrepeso e obesidade, além de alterações neurológicas e musculoesqueléticas.

Por falar em alterações neurológicas, a bexiga hiperativa é causada pela inervação da bexiga, situação que pode ser decorrente de doenças como Parkinson, paraplegia, Alzheimer, esclerose múltipla, AVC, irritação das vias urinárias, alterações da mucosa, câncer, cistos, cálculos e infecções. todos esses problemas atrapalham o controle sobre os músculos do órgão, que passa a contrair em horas indevidas.

Felizmente, a hiperatividade da bexiga pode ser tratada, com ótimos resultados quando diagnosticada com precisão e cuidada da maneira adequada. Pensando nisso, preparei um texto completo sobre o diagnóstico e tratamento dessa doença. Vem comigo!

Diagnóstico da bexiga hiperativa

O processo para diagnosticar o quadro de  bexiga hiperativa deve ser conduzido de maneira detalhada e tranquila, a fim de evitar confusões. É preciso tomar cuidado durante a investigação, pois alguns sintomas da doença são similares às manifestações de infecção urinária, disfunções metabólicas e outras doenças que podem camuflar o quadro clínico de bexiga hiperativa.

Os principais sinais de bexiga hiperativa são a urgência urinária, aumento da frequência ao urinar e incontinência noturna. Tais indícios devem ser relatados pelo paciente ao urologista, que precisa avaliar as condições clínicas gerais e solicitar exames complementares para descartar outras possíveis causas.

Vale destacar que a urgência urinária é o maior sintoma de bexiga hiperativa, um desejo súbito e incontrolável de urinar. Eventualmente, qualquer pessoa pode apresentar esse sintoma, mas ele é considerado anormal quando a frequência urinária é superior a 8 micções em 24 horas.

Tratamentos para a hiperatividade da bexiga

É importante tratar a condição assim que descoberta, pois a dificuldade para controlar a micção pode limitar a realização de atividades cotidianas, gerar constrangimento e impactar a autoestima de quem sofre com a bexiga hiperativa.

Entre os tratamentos possíveis estão a prática de exercícios musculares voltados para o fortalecimento do assoalho pélvico, o uso de medicação específica e o estímulo do nervo tibial ou neuromodulação  sacral para eliminar, ou pelo menos, atenuar os sintomas.

Os principais medicamentos usados no tratamento fármaco são a oxibutinina, darifenacina e tolterodina e darifenacina para ajudar na recuperação da contração da musculatura da bexiga.

Quer saber mais sobre a bexiga hiperativa? Estou à disposição para solucionar qualquer dúvida que você possa ter e ficarei muito feliz em responder aos seus comentários sobre este assunto. Leia os outros artigos do blog e conheça mais do meu trabalho como urologista em Goiânia!

Comentários
Dr. Pedro Henrique Moreira

Posted by Dr. Pedro Henrique Moreira